A inflação está persistente, especialmente no caso dos serviços, onde o forte crescimento dos salários e as pressões de custos são fatores importantes, disse o Bundesbak em atualização semestral de suas projeções

Frankfurt/Berlim (Reuters) – A pressão dos salários significa que a inflação está se mostrando persistente, disse o banco central da Alemanha nesta sexta-feira (7), um dia depois de o Banco Central Europeu (BCE) fazer seu primeiro corte nas taxas de juros desde 2019.


O alerta da maior economia da Europa deve reforçar expectativas de que as taxas de juros podem cair lentamente. A inflação caiu de dois dígitos no final de 2022, mas a “última milha” está se mostrando complicada, tanto na zona do euro quanto nos Estados Unidos.


“A inflação está se mostrando persistente, especialmente no caso dos serviços, onde o forte crescimento dos salários e as pressões de custo resultantes são fatores importantes”, disse o Bundesbank em uma atualização semestral de suas projeções econômicas. “Os salários negociados devem aumentar de forma particularmente acentuada este ano”, acrescentou.

O banco agora vê a inflação na Alemanha em 2,8% este ano, acima da previsão de 2,7% de seis meses atrás, e o crescimento em apenas 0,3%, ante estimativa de 0,4% feita em dezembro.


“Embora a taxa de inflação na Alemanha continue a diminuir, o ritmo é moderado”, disse o presidente do Bundesbank, Joachim Nagel. “Nós, no Conselho do BCE, não estamos dirigindo no piloto automático quando se trata de cortes nas taxas de juros.”


A equipe do BCE apresentou nesta semana previsões para a inflação da zona do euro, que agora deve ficar acima da meta de 2% do banco até o final do próximo ano.

Recuperação lenta


A economia alemã foi a mais fraca entre as grandes da zona do euro no ano passado, uma vez que os altos custos de energia, a fraqueza das encomendas globais e as taxas de juros em níveis recordes cobraram seu preço.


No entanto, o Ministro da Economia da Alemanha, Robert Habeck, deu um tom mais otimista nesta sexta-feira, dizendo que “se tudo correr bem” o crescimento econômico poderá chegar a 1,5% em 2025.
Em discurso em um evento para empresas familiares, Habeck disse que os problemas econômicos dos últimos dois anos – um aumento acentuado nos preços da energia e a inflação elevada devido à guerra na Ucrânia – estão “sob controle”, o que agora abriria caminho para o crescimento.

Enquanto isso, novos dados da Alemanha sobre a produção industrial e o comércio para abril forneceram um quadro misto.

Embora as exportações tenham mantido sua tendência de alta, aumentando 1,6% em abril em comparação com o mês anterior, a produção industrial caiu 0,1% na base mensal, apontando para uma recuperação econômica lenta. O superávit comercial permaneceu quase inalterado em 22,1 bilhões de euros.


Os dados “aumentam os temores de que o crescimento econômico geral será fraco no segundo trimestre”, disse Thomas Gitzel, economista-chefe do VP Bank. “Uma produção mais alta no setor requer inicialmente um crescimento mais forte na entrada de pedidos.”

Fonte?https://www.infomoney.com.br/economia/bc-da-alemanha-faz-alerta-sobre-inflacao-e-reduz-perspectiva-de-crescimento-para-2024/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *